terça-feira, 26 de julho de 2016

Dica de limpeza com alho



Guarde todas as cascas do alho e também o talo. 

As cascas de alho são excelentes para fazer defumações e o melhor período é a Lua Minguante. 

Coloque em um recipiente que não pegue fogo uma brasa de carvão, adicione resina de olíbano ou mirra, se tiver e, por fim, as cascas de alho. 

Dedique a esfumação à Deusa Hécate que rege todos os caminhos e comece a esfumar dos fundos da casa ou apartamento até a porta da frente. 

No momento da esfumação, mantenha as janelas fechadas e depois que terminar, abra todas as janelas. 

Os restos da esfumação (cinzas) devem ser descartadas em uma encruzilhada. 

Agradeça a Deusa Hécate pela limpeza.

Oferenda à Oxum: Balaio para agradar Oxum.


Pega-se um balaio grande com alça e enfeita-se à gosto com panos, fitas e rendas amarelas. 

Pronto o balaio, coloca-se dentro dele diversos tipos de frutas, sempre em cinco unidades.

Acrescenta-se ainda bastante caramelos de leite e enfeita-se com folhas de hortelã. 

No meio das frutas coloca-se uma boneca vestida de amarelo, representando a própria Oxun.

Deixa-se diante do Orixá por oito dias, findo os quais, despacha-se numa cachoeira. 

A boneca ficará, para sempre, junto ao igbá.

Oferenda à Oxum: para agradar e obter uma graça.


Cozinha-se um inhame, amassa-se e mistura-se folhas de agrião bem picadinhas. 

Com a pasta modela-se 5 bolas. 

Depois de prontas as bolas de inhame, rola-se as mesmas sobre farinha de acaçá até que fiquem bem envolvidas. 

Numa travessa de barro, arruma-se as 5 bolas de inhame ao redor de um pargo assado ao forno. 

Sobre cada bola coloca-se uma pimenta ataré, uma moeda, um grão de milho e uma pétala de rosa amarela. 

Rega-se com um pouquinho de azeite de milho e bastante mel de abelhas, enfeita-se com galhos e folhas de agrião miúdo.

Oferenda para apaziguar Oxum



Um mamão bem maduro aberto ao meio, do qual se retira todas as sementes. 

Enfeita-se o mamão por dentro e por fora com ramos de salsa; coloca-se dentro do mamão 5 gemas de ovos de galinha e cobre-se com bastante mel de abelhas. 

Junta-se as duas partes do mamão e coloca-se, sobre um prato, diante de Oxun, com duas velas acesas. 

No dia seguinte despacha-se num rio.

Oferenda à Oxum: para obter-se uma graça qualquer.


Num prato branco arruma-se: 5 ovos de galinha crus; 5 folhas de verbena (Lipia citriodora); uma conta de coral; um pedaço de azeviche; um molho de agrião que deverá ser arrumado em volta do prato, formando uma rodilha.

Cobre-se tudo com bastante mel de abelhas, salpica-se pó de efun e arreia-se aos pés de Oxun com 5 velas acesas ao redor. 

Este adimú permanece por cinco dias nos pés do Orixá e é despachado numa cachoeira.

Oferenda à Oxum: para atrair uma pessoa.



Abre-se uma cabaça ao comprido, limpa-se bem retirando todas as sementes e as películas de seu interior e se coloca dentro: O nome da pessoa que se quer atrair escrito em papel de embrulho; 5 agulhas de coser; 5 pedacinhos de galho de irôko; 5 grãos de pimenta-da-costa; um pouco de milho torrado; uma pitadinha de pó de osun; uma pitadinha de sal de cozinha; mel de abelhas; suco de um limão galego (Citrus medica, Rissus); pó de peixe defumado e pó de preá defumada. 

Fecha-se a cabaça unindo as duas partes com um laço de fita amarela; coloca-se sobre um prato branco diante do igbá-Oxum e, durante 25 dias, à mesma hora, acende-se uma vela em cima da cabaça pedindo ao Orixá que traga a pessoa desejada. 

No vigésimo quinto dia, depois que a vela acabar, despacha-se nas águas de um rio.

Oferenda: Adimú para agradar Iemanjá e obter sua proteção.



Descasca-se sete cebolas brancas e frita-se, ligeiramente, em azeite de amêndoas. 

Depois de bem douradas as cebolas, abre-se nelas, com uma faquinha, um buraco onde se introduz um papel com o pedido que se deseja obter e um grãozinho de ataré.

Coloca-se as cebolas num prato branco e se acrescenta, sobre elas, os seguintes ingredientes: Mel de abelhas; melado de cana; um pouco de vinho branco; um pouco de vinho tinto suave e bastante milho torrado. 

Deixa-se, durante sete dias, diante do igbá do Orixá, sempre com velas acesas. 

Despacha-se na beira da praia.

Oferenda à Iemanjá: para calar a boca de uma pessoa maledicente.



Retira-se um cubinho da casca de uma melancia, com o auxílio de uma faquinha. 

No buraquinho, introduz-se um papel com o nome da pessoa de língua ferina e tapa-se com o pedaço que dali foi retirado. 

Deixa-se, durante quatro dias nos pés do Orixá, depois do que, leva-se a uma linha de trem deixando ali, de forma que a fruta seja esmagada pelo trem.

Oferenda à Iemanjá: para resolver qualquer tipo de problema.


Pega-se 21 frutas de diferentes espécies, pica-se em pedaços bem pequenos e mistura-se dentro de uma tigela branca. 

Prepara-se um cozido com vinte e um diferentes tipos de legumes bem picados e cozidos em água pura. 

Separa-se os legumes em outra tigela branca. 

Cozinha-se, em água sem sal, vinte e um diferentes tipos de grãos como: milho, canjica, feijões de todos os tipos (menos preto), soja, arroz, etc. e separa-se tudo numa outra tigela. 

Coloca-se tudo dentro de um balaio, deixando que as coisas se misturem. 

Por cima coloca-se um pargo fresco de tamanho médio, em cuja boca, introduz-se um obí batá. 

Enfeita-se tudo com folhas de beldroegas e vinte e uma rosas brancas. 

Salpica-se vinho branco em cima, enfeita-se com fitas brancas, rendas, etc. 

Leva-se à praia e entrega-se à Iemanjá, com muito orô e cantigas do Orixá.

Oferenda à Iemanjá: para firmar a cabeça de uma pessoa.



Coloca-se a sopeira de Iemanjá no solo, sobre uma esteira forrada de branco. 

Em volta coloca-se nove pratos brancos. 

Dentro de cada prato coloca-se um ovo de pata (cru); um pouco de mel de abelhas sobre os ovos; uma pequena porção de coco ralado e uma pitadinha de pó de efun. 

Ao lado de cada ovo, dentro dos pratos, acende-se uma vela de sete horas. 

A pessoa, depois de limpa e lavada com omi eró de folhas frescas de Iemanjá, 

veste uma roupa branca e deita-se no quarto do Orixá por uma noite. 

No dia seguinte colocam-se os ovos dentro de uma cestinha de palha e despacha-se no mar, na sétima onda que bater.

Oferenda para que Iemanjá trabalhe em favor de alguém.




Colocar-se, aos pés de Iemanjá, uma cesta com frutas variadas, cobre-se tudo com bastante folhas de beldroega (Planta herbácea, da família das cariofileas). 

Deixa-se, diante do Orixá, durante sete dias com uma vela votiva acesa. 

Findo o prazo, leva-se à uma praia e arreia-se na areia com sete velas acesas.

Oferenda à Iemanjá: para obter saúde ou estabilidade financeira.



Colocar dentro de uma travessa de barro: Sete pargos frescos bem pequenos; sete grãos de ataré; sete grãos de milho torrado; sete moedas correntes; um pouco de pó de osun; sete agulhas de croche; um pouco de areia da praia; sete colheradas de azeite de amêndoas; sete colheres de mel de abelhas e sete colheres de melado de cana.

Entrega-se à Iemanjá na desembocadura de um rio com o mar. 

O mesmo adimú pode ser oferecido à Olokun. 

Neste caso substitui-se as agulhas de croche por anzóis e se entrega diretamente nas águas, em alto mar.

Oferenda à Iemanjá: para obter uma graça.



Pega-se um melão bem grande, abre-se uma tampa no alto e retira-se a polpa. 

Coloca-se, dentro da fruta, os seguintes ingredientes: Sete bolinhas de milho vermelho; sete bolas de inhame; sete rodelas cortadas de uma espiga de milho verde; sete peixinhos secos; sete cebolas brancas pequenas; sete bolas de arroz branco cozido; sete bolinhas pequeninas de ori-da-costa; sete colheres de óleo de amêndoa-doce; mel de abelhas e melado de cana.

Coloca-se o melão num prato grande ou bandeja forrada com pano branco, diante de Iemanjá e acende-se sete velas que devem ser renovadas por sete dias, tempo em que o adimú permanecerá diante do Orixá. 

Despacha-se na beira do mar.

Oferenda à Iemanjá: para resolver uma situação impossível.



Cozinha-se um inhame grande até que fique bem macio. 

Coloca-se num recipiente qualquer e amassa-se com um garfo. 

À massa obtida acrescenta-se: farinha de milho bem grossa; meio copo de melado de cana; um pouquinho de azeite de dendê e um pouco de mel de abelhas. 

Mistura-se tudo muito bem e modela-se 7 bolas, que são arrumadas numa travessa branca. 

Sobre as bolas despeja-se bastante melado de cana; pó de efun e pó de peixe defumado. 

Oferece-se, diante do igbá, com uma vela acesa, deixando por sete dias. 

Despacha-se na beira do mar.

Oferenda à Iemanjá: Adimú para se obter uma graça.



Arruma-se sete espigas de milho verde assadas dentro de uma panela de barro com o seguinte: Sete bolas de feijão fradinho cozido, amassado e ligado com farinha de acaçá; sete biscoitos de araruta; sete bananas da terra cortadas no sentido longitudinal e fritas em gordura de ori-da-costa; sete bolas de mingau de milharina adoçado com açúcar mascavo. 

Depois de tudo arrumado dentro da panela rega-se com bastante mel de abelhas e oferece-se à Iemanjá, acendendo-se duas velas. 

Deixa-se de um dia para o outro, embrulha-se num pano branco e leva-se para o mar.

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Oferenda à Oxossi: para falta de dinheiro.



Pega-se sete cocôs secos, pinta-se de branco (efun) as partes de cima e de azul (uáji) as partes de baixo.

Coloca-se os sete cocôs num alguidar grande e, durante sete dias, vai-se passando um coco por dia no corpo, tendose o cuidado de separar os cocôs utilizados para outro alguidar. 

Depois de passar o último coco, enrola-se o alguidar com os sete cocôs num pano azul claro e despacha-se em água corrente. 

Uma vela de sete dias deverá permanecer acesa durante o tempo em que os cocôs estiverem diante de Oxóssi.

Oferenda à Oxossi: para problemas de saúde.



Unta-se sete ovos de galinha d’angola com ori-da-costa; coloca-se dentro dum alguidar diante do
assentamento de Oxóssi e coloca-se, sobre eles, um pouco de azeite de dendê; melado de cana; licor de anis; fumo-de- rolo desfiado e bastante pó de efun. 

Todos os dias, durante sete dias, passa-se um dos ovos na pessoa enferma e separa-se para outro alguidar que deverá ficar atrás do igbá. 

No sétimo e último ovo, coloca-se tudo num pano azul claro, amarra-se em forma de trouxa, leva-se à uma mata e despacha-se num tronco de árvore seca.

Oferenda à Oxossi: para boa sorte.




Numa travessa de barro, coloca-se sete peixes frescos inteiros com as escamas. 

Por cima coloca-se: milho torrado; melado de cana; azeite de dendê e efun ralado. 

Deixa-se nos pés de Oxóssi por três horas e, em seguida, leva-se a um mata e arreia-se aos pés de uma palmeira ou coqueiro.

Oferenda à Oxossi: para resolver problemas de justiça.



Num pano branco coloca-se os seguintes ingredientes: 7 grãos de milho torrados; 7 grãos de ataré; 7 pimentas malagueta; pó de peixe defumado; um pedaço de talo de comigo-ninguém-pode; 7 folhas de hortelã e um papel com o nome da pessoa que está sendo tratada.

Faz-se um embrulho com o pano branco, amarra-se bem com barbante virgem, passa-se no corpo da pessoa e deixa-se no igbá de Oxóssi até que o problema esteja resolvido. 


Resolvido o problema, a pessoa beneficiada deverá oferecer uma comida seca ao Orixá, de acordo com a orientação obtida no oráculo.

Oferenda à Exu: defesa contra inveja e olho-grande

Coloca-se um coco seco com uma vela acesa em cima, onde deverá permanecer por três dias consecutivos.

No terceiro dia, despacha-se numa encruzilhada de quatro esquinas.

Oferenda à Exu: para problemas de saúde



Pinta-se um coco seco com efun e depois unta-se todo com ori-da-costa ou, na falta deste, manteiga de cacau.

Coloca-se o coco num prato branco diante de Exú e acende-se uma vela pedindo-se pela saúde da pessoa enferma.

A vela deve ser substituída todos os dias, à mesma hora, e o pedido reiterado. No sétimo dia, logo que a vela termine, o coco deve ser levado e despachado na entrada de um cemitério.

Obs: Efun (barro branco encontrado no fundo dos rios); simboliza o Dia, por isso, quando em pó, seja soprado ou friccionado seco é utilizado com o objetivo de expandir, vitalizar, iluminar, clarear, despertar, avivar. Já o Efun molhado com água pura ou com o soro do Igbin é utilizado para acalmar, tranqüilizar, adormecer, suavizar, abrandar, repousar, proteger. 

Oferenda à Exu: para problemas de infidelidade




Abre-se um coco seco em duas partes. 

Dentro dele coloca-se um pedaço de papel de embrulho usado, no qual se escreveu, anteriormente, o nome da pessoa infiel. 

Acrescenta-se 3 grãos de pimenta da costa; um pouco de azeite de dendê; um pouco de mel; milho torrado e pó de peixe defumado. 

Fecha-se o coco e amarra-se com linha vermelha e linha branca, enrolando-se bem até que o coco fique totalmente envolvido pela linha. 

Coloca-se o coco diante de Exú e durante 21 dias acende-se uma vela diariamente, pedindo que a pessoa permaneça fiel ao seu parceiro. No vigésimo primeiro dia despacha-se numa encruzilhada. (Quem não tem Exú assentado pode colocar o coco atrás da porta da casa).

Oferenda à Exu: limpeza da casa


Pega-se um coco seco, pinta-se todo com uáji (Tinta azul em forma de pó petrificado de origem vegetal o qual busca a representação do sangue negro, simbolizando a noite e a relação de ancestres ligados à própria escuridão), rola-se pela casa de dentro para fora impulsionando-o com o pé esquerdo, como se fosse uma bola. 
Quando chegar na porta da rua, pega-se o coco com a mão esquerda, leva-se à uma encruzilhada aberta de quatro esquinas e ali, atira-se o coco no meio da encruzilhada com força, para que se quebre.